PORQUE NADA É PRA SEMPRE

Muito tempo atrás, quando o mundo ainda era mundo, nos primórdios do tempo, a humanidade vivia a chamada Época Dourada, ou Idade de Ouro. Nessa época, a deusa Harmonia permitia que os deuses vivessem em harmonia com as pessoas. E que as pessoas vivessem em harmonia com as pessoas. E que deuses, pessoas, animais e natureza vivessem em harmonia. A deusa Abundantia dava todo o sustento de que precisassem. Juno, Afrodite e Amor transformavam o lugar todo em um grande Éter: corpos exuberantes, belezas incomparáveis (mas nenhuma comparada a você Juno, calma!). Fauna e Flora davam a beleza natural de que o planeta necessitava. E Dies fazia os dias mais bonitos, e sua mãe Nix as noites mais lindas. Mnemósime e as nove musas cantavam, dançavam e interpretavam, e suas belezas e talentos eram admirados até pelo mais carrancudo dos humanos.

Tudo ia bem demais até que Discórdia, mesmo sem ter sido convidada para a festa, resolveu aparecer com um "presente" para as mulheres do lugar: um Pomo da Discórdia com a inscrição "para a mais bela das deusas". Tamanha foi a disputa entre as deusas que a visão de paraíso começou a ruir abruptamente. Houve muita fuga e muita ira. Abundantia não quis mais participar de uma sociedade em que Amor não tivesse lugar. Foi instaurado o caos. Foi nessa época que novos deuses começaram a acompanhar Gaia: os demônios Íncubo e Súcubo, Tânato, Plutão, Míser, Nêmesis. E a humanidade presenciou a abertura do portal de Averno.

Desde então, os deuses e os mortais originais se ressentem dessa época de tamanha paz. Sentem muita falta, inclusive, de pessoas com as quais conviviam e que não existem mais. Talvez tenham sumido, talvez tenham fugido, talvez tenham morrido. Talvez tenham se esquecido desse tempo e dessas pessoas. Talvez tudo tenha sido uma grande ilusão provocada por Somnos ou um delírio provocado por Fantasia. A verdade é que as pessoas começaram a sentir um grande peso por dentro, uma mistura de remorso, de nostalgia, de tristeza e de alegria. Vez ou outra, percebe-se que um sorriso se desenha junto a uma lágrima, ou uma lágrima nasce em meio a um sorriso. Tudo por conta das lembranças doídas e prazerosas de um tempo maravilhoso que a incerteza não deixa saber se voltarão. Ou se haverá novos dias tão felizes.

É que ninguém percebeu, estavam todos ocupados para perceber, que, quando os deuses maus apareceram, um outro deus discreto, silencioso, da cor da sombra que deixa as lembranças e os sonhos sem cor, surgia em meio ao vácuo do Universo. Foi assim que nasceu o deus Saudade.

Planos impossíveis Uma semana sem te ver. Eu já sabia que isso ia acontecer. O tempo passa eu fico mal. É ilusão achar que tudo está igual. Você apareceu pra mim. Não posso evitar me sentir assim. O que eu faço pra escapar dessa vontade que eu tenho de falar toda hora com você? Faço planos impossíveis pra te ver mas, pra mim, são tão reais. O que aconteceu, eu não me lembro mais. Eu poderia escrever mil canções só pra você. Poderia te falar meus motivos pra gostar tanto de você. Me diz quando a gente vai se ver. Pra eu poder te abraçar e tentar te explicar a falta que você me faz. Eu não aguento mais ficar tão longe de você. Você me diz que não tá bem. Que não para de pensar em mim também. Agora, antes de dormir, por dois segundos eu consigo até sorrir. Por que essa complicação? Distância é o fim pra quem tem coração. Será que eu devo te dizer que eu quase choro quando falam de você? Mas eu consigo segurar pra ter certeza que ninguem vai reparar que eu tô cada vez pior. E a saudade em mim é cada vez maior. E eu não sei se algum dia eu já me senti assim. Eu nem me lembro de querer alguém como eu quero você pra mim. E é por isso, que eu vou te dizer.

DO QUE VOCÊ TEM SAUDADE?|NADA É PARA SEMPRE|AOS OLHOS DA SAUDADE, COMO O MUNDO É GRANDE|É MELHOR TER AMADO E PERDIDO DO QUE NUNCA TER AMADO|ISSO TAMBÉM VAI PASSAR

Carta aberta a Carlos Ruas

Nesse segundo semestre de 2013, eu tive uma disciplina chamada Prática de Leitura e Produção de Texto II, com uma professora extraordinária. Uma das melhores que já conheci.
Na aula de resenha, perguntei-lhe até que ponto eu poderia criticar o trabalho de outra pessoa. Ela me respondeu que tudo é uma questão de argumentação. Se você tiver os argumentos certos, válidos e fortes, você pode escrever o que quiser na resenha.

Farei, aqui, então, uma resenha sobre a tirinha publicada no site "Um Sábado Qualquer", cuja url é:
http://www.umsabadoqualquer.com/1343-cetico-x-supersticioso/
Talvez o autor a tire do ar algum dia, portanto, tomei a liberdade de quebrar a tirinha em partes para melhor me explicar.


Mas ele não disse que tem certeza. É algo como "eu acho que vi um gatinho" ou "eu vejo gente morta" ou "eu vi um vulto".


Sim, o homem sempre criou coisas. Algumas coisas, porém, foram criadas propositalmente. Alguns monstros foram criados pelos adultos para, por exemplo, as crianças não saírem sozinhas de casa, os navegadores não se aventurarem em mares desconhecidos... Por mais absurdo que possa parecer, ninguém até hoje provou, de fato, que Saci e Mula-Sem-Cabeça não existem. Como você pode ter tanta certeza de que eles não existem? Não o vejo desafiando a comunidade científica a respeito da não-existência de ovnis, também. Alguma razão específica? Será que ovnis são criações das mentes humanas ou eles existem? Até hoje, ninguém, publicamente, provou existir ou não existir ET. ET é, aliás, o novo Saci: 200 anos atrás, acreditavam existir Saci. Hoje não acreditam que ele exista (mas, novamente, ninguém provou que ele não existe). Hoje, acreditam existir ovni. E se, daqui 200 anos, a crença em ET for ridicularizada? Melhor, digo mais: e se, daqui 200 anos, a crença em algo em que você acredite for ridicularizada? Você vai fazer uma tirinha se ridicularizando? "Mas eu não vou estar vivo até lá!", você pode dizer. Calma, já vou chegar nesse ponto :) Por enquanto, tente, apenas, acompanhar meu raciocínio. Eu sei que é difícil, mas até você vai conseguir.





Resposta: não sei. E, ao que tudo indica, ninguém sabe. O ser humano adora achar que conhece tudo de tudo. É um erro grave. E se os anjos forem formados de uma forma de energia que ainda não conhecemos? Por favor, não me diga que você acha que já conhecemos todas as formas de energia! A ultra-violeta e a infra-vermelha não eram conhecidas 2000 anos atrás. Daqui 2000 anos conheceremos muito mais coisas do que conhecemos hoje, é assim que funciona. Então, seguramente existem coisas que não conhecemos. Do que os anjos são feitos, por exemplo, é uma delas.



Bom, agora sou eu que te pergunto: por que você fala com tanta certeza que continuaremos vivos depois que morrermos? Como você pode afirmar com tanta certeza que não viraremos comida de verme, que não viraremos terra? Ou, como você mesmo disse, "quando morremos perdemos tudo". Como você mesmo disse, essa certeza atual me incomoda. "Mas na Bíblia fala que iremos viver depois da morte!" Não, não tente usar a Bíblia a seu favor apenas quando melhor lhe convier. Se quer questionar coisas da Bíblia usando ciência, vamos todos usar os mesmos métodos. Mas, voltando, e usando sua própria pergunta: como você pode ter tanta certeza?




Nesse ponto, tenho algumas perguntas para você:
1. já detectamos a menor partícula do universo? Então o homem já mapeou o universo inteiro? De onde você tirou essa informação?
2. como você pode ter certeza que é a menor partícula do universo? Rutherford, quando descobriu o átomo, deu esse nome a ele porque julgava ser indivisível. Bom, já se sabe que o átomo é, sim, divisível: temos os prótons, os nêutrons, e depois temos os quarks, etc. Então, você quer me dizer que você acredita nessa certeza de séculos? Você se contradiz, o que deixa suas argumentações falhas, imprecisas e duvidosas.



Aqui, sim, um ponto de acerto seu. Fomos incapazes. Mas, note: não significa, em absoluto, que nunca iremos descobri-la e detectá-la, certo? Os gregos também achavam um absurdo pensar em viagem ao espaço, e olha só o que conseguimos!



Como dizem os franceses, c'est à vou. É uma opinião sua, vou respeitar.


Novamente, é uma posição sua pensar assim. Não vou tentar lhe convencer do contrário pois não é esse meu objetivo aqui. Você se contradiz na sua argumentação, usa argumentos falhos e fracos para explicar o que você mesmo condena. De quem é mesmo a fantasia? De quem segue uma doutrina para fazer o bem ou de quem tenta convencer outras pessoas de uma ideia que pode estar errada?
É, não vai me dizer que você acredita firmemente que você está certo. Baseado em quê? Nesses argumentos apresentados?
"Então simplesmente eu não posso".


Manda pra alguém:

CONVERSATION

0 comments :

Postar um comentário